junho 03, 2011

etnias, nacionalidades e das taxonomias em que tropeço 1


Sou da língua portuguesa, como diz o poeta, mas povoada constantemente por colonos de outros falares, o inglês, o alemão o espanhol; o francês cada vez menos me ataca, apenas em nostálgicos momentos bacocos de que me envergonho, tipo, si tu m’ aimais et si je t’aimais comme je t’aimerais. E  custa-me a admitir ter sido infectada por eles, é muito mais in ser assaltada por sons como unwahrscheinlich gut ou wunderbar, melhor ainda das Land ,wo die Zitronen bluhn e perfeitamente aceitável my baby girl.

 Há quem diga que me habitam as línguas de antepassados.
1/8 caucasiano, 1/8 asiático, 1/8 minhoto da raia, 1/8 celta, 1/8 espanhol, 1/8 germânico e talvez holandês,  1/8 africano de África, são oitavos a mais , até um goês, um outro Indonesich. E bem sinto o oitavo marciano,  além do meu lado lunar.

O que sei de fonte segura é que, antes de mim se andaram a comer uns aos outros, nos dois sentidos, e gostaram, e escandalizaram.

 Uma identidade distorcida, problemática. Pois é.

2 comentários:

  1. O lado lunar!................pois!

    Blue Moon

    ResponderEliminar
  2. adoro a expressão "colonos de outros falares" parabéns! agora não se esqueça de reflectir bem, muito bem...

    ResponderEliminar